domingo, 28 de junho de 2009

Coluna do Miguel Arcanjo nº158

Despedida

Por Miguel Arcanjo Prado*


Sou do tipo que odeia despedidas. Sabe aquele lamúrio sem fim de abraços e chororô? Estou fora. Já fiz muito, é verdade, mas vi que não vale a pena. Prefiro um até mais, a gente se vê em breve. Acho que tem que ser assim, sem tramas, sem dramas.

Na última sexta, vivenciei o partir ao deixar a redação do jornal "Agora São Paulo" e, por conseguinte, o Grupo Folha, após pouco mais de um ano de casa. Mudar de emprego às vezes é necessário, ajuda a crescer, a ficar maduro. Mas, mesmo quando a decisão de sair é sua, é difícil dar tchau àqueles que fizeram parte de sua vida de forma tão intensa, ainda mais em um jornal no qual se trabalha muitas vezes 12, 14 horas diárias. Tamanha intensidade acaba criando dependência mútua, fruto de uma relação de cumplicidade e, sobretudo, companheirismo.

Para coroar minha despedida, Michael Jackson resolveu morrer, de supetão, bem nos meus momentos derradeiros. Assim como eu, meu xará norte-americano não quis saber de sofrimento prolongado. De preparo anterior à morte. Simplesmente se foi. De uma vez só. Deixando todos nós atônitos diante da força que só a verdade da morte tem.

E, nós, jornalistas, tão boquiabertos como o resto do mundo, tivemos ainda que deixar nossos sentimentos de lado e correr de cara para o trabalho insano de fechar um jornal de acordo com a magnitude daquela notícia. E lá fui eu contar o triste acontecimento para a Glória Maria e depois correr para falar com a turma do Olodum... No outro dia, dá-lhe ligar para as lojas de disco e outras coisas mil...

No fim, eu, que sou tão apaixonado pela notícia, gostei de todo aquele frenesi. Sair trabalhando que nem um louco acabou não dando espaço para a tristeza, para os abraços chorosos. No finzinho daquela sexta, tirei minhas coisas da gaveta quase despercebido e caminhei para a vida.

Ps. O episódio da morte de Michael Jackson fez com que o jornalismo "metido a sério" fosse obrigado a olhar com respeito para o dito "jornalismo de celebridades" ou "de fofoca", já que o furo dessa notícia pertece ao site "TMZ", especializado no mundo dos famosos e tão desprezado por muitos até que provou ao mundo todo saber fazer um irrepreensível trabalho jornalístico, como qualquer outro, tapando a boca de muita gente grande.

*Miguel Arcanjo Prado é jornalista e segurou uma lágrima.

9 comentários:

schimith disse...

Realmente muito difícil, mas o que seria da vida senão existissem constantes despedidas e novos encontros? Quando me deparo com essas situações eu me sito grato por ter vivido momentos tão intensos que me deixam com o coração partido. O mundo precisa girar. E acrescido pela possibilidade eminente da vida acabar em mais uma dose demerol entre tantas coisas que procuramos para aliviar as dores do tempo, que por sua vez, segue cruelmente.

Por isso miguelito, viva a vida!

Sônia Xavier disse...

Miguel, meu anjo querido!

Sempre em movimento, não é?
Acho que faz parte do seu ser, dessas asas gigantes de anjo, que não te deixam parar quieto num canto. Hoje, estava vendo a capa da Época, com o Michael na capa. Não sei se a intenção editorial foi dar-lhe asas, mas a foto me lembrou de um anjo em movimento. E agora, lá vem você, também me dizendo que está em movimento!
Voa, Miguel! Sorte e sucesso na nova jornada. Você é um grande jornalista. Talvez um dos poucos que sabe dar conotação humana e jornalística ao segmento "celebridades".
Não preciso dizer que te amo, não é?
E me mantenha informada de tudo.

Beijos,

Gis de Oliveira disse...

Adorei esse texto,parabens pela ousadia e coragem que tens!!
E nessa nova vida,que vc realize feitos e sonhos e principalmente sejas feliz!
Beijos

Eduardo Simões disse...

vai pra onde, Miguelito? De qualquer maneira, boa sorte onde estiver!
Abraço forte!

Sandra Parra disse...

Querido!

Todo fim é um recomeço. Não vou dizer que "agora você começa uma nova vida", porque nossa vida é uma só, e está nas mãos de Deus.

Agora, se você quiser aproveitar o (possível) tempo livre, e vir passear em Londrina, minha casa é toda sua; se quiser ir pra Salvador, o mateus tá lá; se quiser rever Ouro Preto, a Josi te recebe com todo o amor. (Viu só, agora o Moinho é um grupo transnacional! rsrsrs)

Um beijo grande, luz e sorte em tudo!

Mariana disse...

Miguelito, a redação não é mais a mesma sem vc!!!

LUCIANA RAFAELA disse...

UM TEXTO ASSIM, SÓ PODERIA SER SEU!!!

QUE A LUZ QUE VC TRAZ DENTRO DE SI BRILHE CADA VEZ MAIS.

TE AMO MUITO.

LUCIANA

Anônimo disse...

Estas indo para onde miguel arcanjo prado? Quero continuar como seu leitor. Acompanho você desde os tempos da UFMG. Abc e sucesso!

Miguel Arcanjo Prado disse...

Mateus, a vida é isso mesmo: temos que vivê-la enquanto a temos. Como fez Cazuza...

Sônia, eu te amo também e obrigado por esse carinho todo.

Gis, você também é uma mulher ousada. Por isso faz sucesso. Beijão.

Edu, obrigado pelos votos. Estou indo para a Record, trabalhar no novo portal deles.

Sandra, vocês são um sucesso. Em Salvador estive ontem. Agora só falta Londrina. Beijos.

Mariana, também morro de saudades... Vocês aí do Agora são muito especiais.

Luciana, que bom que reconhece um texto deste seu primo que te ama muito também.

Anônimo, como já respondi acima, estou indo pra Record. Obrigado por me acompanhar. Mas como é seu nome mesmo? Abraços!